Quem Sou Eu?

Quem Sou Eu?

Eline Sato

Talvez você não consiga me compreender, talvez eu seja realmente algo complexo demais para ser descrito ou estudado. Não há quem possa me decifrar, não há quem possa me conter. Para alguns pareço correr, enquanto para outros demoro para chegar. No entanto, sou aquele que tudo pode observar. Não há portas nem janelas, nem parede alguma que me conterá. Você pode deixar para depois, pode pensar que haverá mais momentos como esse e então, tudo irá melhorar. Mas talvez, não me alcançará, porque esse dia pode não chegar ou pode ser que eu até permita me tocar, por um breve momento, porém logo soprarei e, ao abrir os olhos, tudo passará, e não há como retornar, não há como mudar ou tentar fazer de novo.

Sabe aquele momento em que você se olha no espelho e tenta juntar os cacos do passado? Então, pare e leia novamente: Passado... passou e não há mais como remendar. Olhe-se de novo no espelho, consegues respirar? Então encha os pulmões de ar, e olhe para o presente, pois o futuro talvez não chegará. O futuro, na verdade, se tornará o seu presente, se agora consegues me entender, então não temerá o que virá. Por que quem poderá garantir de que o futuro chegará? Quem poderá lhes contar sobre o último fôlego a respirar? 

Não sou matéria, nunca nasci e nunca morrerei, porque em algum lugar... eu sempre estarei. Debaixo do sol, alguns dizem que sou cruel; e outros, procuram me encontrar no tic-tac de qualquer relógio. Mas para cada lugar, esse tic-tac baterá diferente, então jamais poderão me entender ou me alcançar, pois não posso ser alcançado, muito menos tocado. 

Como posso compreender o que desejam? Se chego com pressa, pedem para esperar; se espero, pedem para me antecipar. O que de fato esperam de mim? O que querem que eu vos faça? Descubra o seu rosto e os deixe refletir no espelho. E o que vês? Um semblante em enigma? Posso dizer que nem a eternidade o fará te conhecer. Nem tampouco o poderei compreender. Tentei fazer com que parassem e para que pudessem entender que não adianta correr, nem mesmo esperar, precisam apenas aprender a viver o presente que lhes ofereço, apenas por apreço.

Espero que já saiba quem sou eu. Sou aquele que faz o seu coração bater, sou aquele que faz os seus cabelos embranquecer, sou aquele que não pode parar... sou aquele que está em todos os lugares, aquele que faz o seu relógio girar, aquele que pede para passar e também aquele que pede para esperar, aquele que você costuma dizer que não o tem, porém, quando eu digo “Pare!”, vejo que consegues me encontrar e escolher para quem deseja me doar. 

Estou ao seu derredor, jamais o deixo, às vezes o faço chorar, e às vezes até sorrir, muitas vezes o deixo confuso, silencioso, sem entender o porquê. Sei que é para o seu bem... pois quero o ver consumado! Contudo, só consegues me ver quando tudo parece enlouquecer. Se pudesse me controlar, seria seu escravo, mas sei que jamais poderá me dominar. No entanto, sei que podes algum dia entender que posso ser favorável.

Ainda não sabes quem sou eu? Sou o TEMPO... aquele que costuma dizer não o ter. “Não tenho tempo para abraçar, não tenho tempo para visitar, estou sem tempo para escrever, estou sem tempo para comer, estou sem tempo para chorar, estou sem tempo para orar, sem tempo para sorrir, sem tempo para amar...”, mas e agora? Tudo parece estranho, parado, perdido... encarcerado?

Agora consegues me enxergar? 

Ahh... talvez agora possas me entender... sou todo seu... sou o seu tempo! Decida. Para o que pretendes me doar? Pense bem, pois amanhã talvez não possas mais me encontrar.



Comentários

  1. O tempo sempre me fascina. E está diferente, em tempos de Covid. Parabéns pelo texto!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Verdade Guilherme! Eu adoro falar do tempo, ele é misterioso e sempre tem algo a nos ensinar. Parece assustador, mas na maioria das vezes ele é um aliado.

      Eliminar
  2. O tempo é mesmo implacável! Não volta! Infelizmente, muitos de nós percebemos essa realidade quando já não há muito tempo mais para realizarmos o que gostaríamos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, por isso gosto muito de falar sobre ele. É fundamental pararmos e analisarmos como estamos utilizando tudo o que nos é dado.

      Eliminar
  3. Que texto perfeito, Eline! Você usou as palavras de maneira maravilhosa para descrever o tempo. Parabéns!

    ResponderEliminar
  4. O tempo é enigmático. Cronos e/ou Kairós sempre nos leva à reflexão, seja cronologicamente onde os p9nteiros regulam o nosso dia a dia ou o tempo psicológico onde cada situação nos obriga a vivenciá-lo de forma única.
    No momento estou em compasso de espera. Aguardando melhores dias ditados pelo...tempo.
    Amei o texto minha querida Eline Sato.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim... enigmático! Eu acredito realmente que cada um de nós o vive de forma única. E sempre teremos algo a aprender com ele. E desejo do fundo do coração que o tempo lhe trará dias melhores! Obrigada pelo carinho de sempre!

      Eliminar
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meio pertubador, mas muito bonito. Toda história ou texto sobre tempo ou viagem no tempo me parece pertubadora...

      Eliminar
    2. Sim... tudo o que se refere a tempo é assustador! Mas é isso que me fascina... algo que jamais poderemos dominar, por isso a importância de o respeitar e aproveitar cada segundo.

      Eliminar

Publicar um comentário

Mensagens populares deste blogue

FALA AÊ! (Crônicas do Cotidiano Carioca)

FALA AÊ! Crônicas do Cotidiano Carioca: A Celebridade

O Pequeno Harry